Sumário     Apresentação    Volume II    Início 

LEI N. 8.257, DE 26 DE NOVEMBRO DE 1991

Dispõe sobre a expropriação das glebas nas quais se localizem culturas ilegais de plantas psicotrópicas e dá outras providências.

O Presidente da República,

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Artigo 1° - As glebas de qualquer região do país onde forem localizadas culturas ilegais de plantas psicotrópicas serão imediatamente expropriadas e especificamente destinadas ao assentamento de colonos, para o cultivo de produtos alimentícios e medicamentosos, sem qualquer indenização ao proprietário e sem prejuízo de outras sanções previstas em lei, conforme o artigo 243 da Constituição Federal.

Parágrafo único - Todo e qualquer bem de valor econômico apreendido em decorrência do tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins será confiscado e reverterá em benefício de instituições e pessoal especializado no tratamento e recuperação de viciados e no aparelhamento e custeio de atividades de fiscalização, controle, prevenção e repressão do crime de tráfico dessas substâncias.

Artigo 2° - Para efeito desta lei, plantas psicotrópicas são aquelas que permitem a obtenção de substância entorpecente proscrita, plantas estas elencadas no rol emitido pelo órgão sanitário competente do Ministério da Saúde.

Parágrafo único - A autorização para a cultura de plantas psicotrópicas será concedida pelo órgão competente do Ministério da Saúde, atendendo exclusivamente a finalidades terapêuticas e científicas.

Artigo 3° - A cultura das plantas psicotrópicas caracteriza-se pelo preparo da terra destinada a semeadura, ou plantio, ou colheita.

Artigo 4° - As glebas referidas nesta lei, sujeitas à expropriação, são aquelas possuídas a qualquer título.

Parágrafo único - Vetado.

Artigo 5° - Vetado.

Artigo 6° - A ação expropriatória seguirá o procedimento judicial estabelecido nesta Lei.

Artigo 7° - Recebida a inicial, o Juiz determinará a citação dos expropriados, no prazo de cinco dias.

§ 1° - Ao ordenar a citação, o Juiz nomeará perito.

§ 2° - Após a investidura, o perito terá oito dias de prazo para entregar o laudo em cartório.

Artigo 8° - O prazo para contestação e indicação de assistentes técnicos será de dez dias, a contar da data da juntada do mandado de citação aos autos.

Artigo 9° - O Juiz determinará audiência de instrução e julgamento para dentro de quinze dias, a contar da data da contestação.

Artigo 10 - O Juiz poderá imitir, liminarmente, a União na posse do imóvel expropriando, garantindo-se o contraditório pela realização de audiência de justificação.

Artigo 11 - Na audiência de instrução e julgamento cada parte poderá indicar até cinco testemunhas.

Artigo 12 - É vedado o adiamento da audiência, salvo motivo de força maior, devidamente justificado.

Parágrafo único - Se a audiência, pela impossibilidade da produção de toda a prova oral no mesmo dia, tiver que ser postergada, em nenhuma hipótese será ela marcada para data posterior a três dias.

Artigo 13 - Encerrada a instrução, o Juiz prolatará a sentença em cinco dias.

Artigo 14 - Da sentença caberá recurso na forma da lei processual.

Artigo 15 - Transitada em julgado a sentença expropriatória, o imóvel será incorporado ao patrimônio da União.

Parágrafo único - Se a gleba expropriada nos termos desta lei, após o trânsito em julgado da sentença, não puder ter em cento e vinte dias a destinação prevista no artigo 1°, ficará incorporada ao patrimônio da União, reservada, até que sobrevenham as condições necessárias àquela utilização.

Artigo 16 - Vetado.

Artigo 17 - A expropriação de que trata esta lei prevalecerá sobre direitos reais de garantia, não se admitindo embargos de terceiro, fundados em dívida hipotecária, anticrética ou pignoratícia.

Artigo 18 - Vetado.

Artigo 19 - Vetado.

Artigo 20 - O não cumprimento dos prazos previstos nesta lei sujeitará o fun-cionário público responsável ou o perito judicial a multa diária, a ser fixada pelo Juiz.

Artigo 21 - Vetado.

Artigo 22 - Vetado.

Artigo 23 - Aplicam-se subsidiariamente as normas do Código de Processo Civil.

Artigo 24 - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Artigo 25 - Revogam-se as disposições em contrário.

INÍCIO